Inseminação artificial: prós, contras e quanto custa

A inseminação artificial não é um bicho de sete cabeças. O que acontece é que provavelmente você vai chegar até ela já bem assustada. Assustada porque está tentando há um tempão, assustada porque o tempo está passando e você sabe que seu estoque de óvulos está baixando, assustada porque nem todo o médico tem a delicadeza necessária de dizer por que você deveria fazer um. Muitas vezes a gente se sente quase obrigada a fazer porque, se não, parece que está abrindo mão do sonho de engravidar com uma solução tão fácil “ao alcance da mão”. Ou como disse um médico a uma amiga minha: você até pode subir as escadas, mas pegando o elevador é mais rápido.

Muita calma nessa hora. A inseminação não é para a gente “conseguir mais rápido”, até porque, estatisticamente, ela aumenta em apenas 20% as chances de engravidar. E essa pressão do tempo é bem ruim porque faz parecer que ela é um atalho, o que pode trazer boas doses de decepção se o processo não funcionar.

Mas, então, quem deve fazer? O ideal mesmo é quem identificou algum tipo de problema que não será resolvido tão rapidamente, mas que não impede a fecundação nem a fixação do embrião no útero (ou seja, quem tem algum probleminha não resolvido no útero, ou endometriose, ou endometrite, por exemplo, tem poucas chances porque “o problema é mais embaixo”). Assim, se os espermatozoides do seu marido/namorado/companheiro têm baixa motilidade (ou seja, são devagar-quase-parando) e isso não melhorou com nenhum tratamento (como o do comprimido Androsten, de que logo, logo vou falar aqui), vocês são um casal com boas chances de aproveitar a inseminação ao máximo. Ou se você tem problema na produção do muco, ou se se muco produz leucócitos, que são as células de defesa do organismo, quando em contato com o esperma. Foi este o meu caso e identifiquei em um exame chamado pós-coito. Sim, nome horrível, mas em breve conto como foi. É um exame bem simples, aliás.

Voltando à inseminação: quando eu fiz, em São Paulo, há pouco mais de dois anos, a minha custou R$4.000, mais ou menos. Este custo envolve os medicamentos injetáveis (tá com medo? Leia aqui) para estimular sua produção de óvulos; a injeção hCG, que controla o exato momento em que você vai ovular; a coleta dos espermatozoides do seu marido; a “filtragem” dos espermatozoides, que seleciona apenas os melhores, com melhor morfologia e mais velozes; e a inseminação em si, ou seja, a hora em que o médico, com um instrumento que lembra aquele que ele usa para colher o Papanicolau (exame que toda mulher TEM que fazer anualmente), coloca os espermatozoides bem pertinho do seu útero.

Fisicamente, não dói nada: é a mesma coisa que uma consulta ginecológica com coleta de Papanicolau. Emocionalmente, é tenso pela expectativa que a gente coloca no processo. Depois disso você vai pra casa e tira o resto do dia de repouso: é bom ficar quietinha, deitada por umas duas horas, e sem levantar peso nos próximos 15 dias. Também existem umas cápsulas que a gente insere duas vezes por dia na vagina: é como um supositório, superfácil de aplicar. Elas liberam progesterona, hormônio que ajuda na implantação do embrião e na manutenção da gravidez durante o primeiro trimestre. Passados cerca de 15 dias, você faz o exame. Provavelmente seu médico já terá te dado o pedido para o exame de sangue, cujo resultado é mais confiável que os de farmácia. Enquanto isso, procure relaxar da forma que você mais gosta e aproveite esses dias para alegrar seu coração: coma aquele seu chocolate favorito, dê mais atenção ao seu cachorro, escute músicas que fazem bem, saia para dar uma voltinha com a sua mãe. Manter a cabeça tranquila, na medida do possível, vai ser importante para diminuir a ansiedade que ronda esses dias.

Ah, e eu não engordei nadinha com as doses de hormônio, caso você esteja se perguntando. Conheço quem inchou bastante e quem engordou porque descontrolou o apetite devido ao nervosismo. Mas cada caso é um caso e vale se manter hidratada, claro. Se você inchar, é só o processo terminar para seu corpo voltar ao normal. Ou não 😉

 

*Foto: Flickr/Jacqueline Sanches


19 thoughts on “Inseminação artificial: prós, contras e quanto custa

  1. […] se você partir para um procedimento como inseminação artificial ou fertilização in vitro (FIV),... cademeunenem.com.br/estoque-ovariano-hormonio-anti-mulleriano-e-fsh
  2. […] informações que mostram quão distantes ainda estamos de poder realizar procedimentos como insemin... cademeunenem.com.br/pelo-direito-de-ter-filhos
  3. […] pela maioria dos médicos que visitei: primeiro coito programado, depois três tentativas de insemin... cademeunenem.com.br/fertilizacao-in-vitro-a-famosa-fiv
  4. […] Engordei demais por conta disso e não resolveu. Na época, não tinha dinheiro para fazer uma insem... cademeunenem.com.br/nao-consegui-engravidar-e-estou-divorciada
  5. […] a engravidar depois de uma inseminação, mas um dia fui fazer o ultrassom e detectaram que a gesta... cademeunenem.com.br/tristeza-cresceu-e-estou-tomando-antidepressivos
  6. […] gente fala sobre “fixação do embrião”, sobre “implantação”, sobre “inseminação arti... cademeunenem.com.br/afinal-o-que-e-o-endometrio
  7. […] que estava acontecendo?  Nem o médico sabia me responder. Resolvi, então, fazer uma inseminação... cademeunenem.com.br/crossmatch-e-gravidez-anembrionaria
  8. […] conta do diagnóstico de infertilidade sem causa aparente, procuramos o especialista para uma nova i... cademeunenem.com.br/diagnostico-de-infertilidade-sem-causa-aparente
  9. […] duas inseminações artificiais, sendo que no mês em que fiz a segunda inseminação, minha mãe fa... cademeunenem.com.br/ainda-carrego-dor-de-nao-engravidar
  10. […] um alerta: se o seu especialista pediu poucos exames e já indicou um tratamento caro como uma insem... cademeunenem.com.br/quando-procurar-um-especialista-em-reproducao
  11. […] à próxima etapa e nos planejamos para a inseminação artificial, porque esse segundo médico acho... cademeunenem.com.br/coito-programado-duas-fivs
  12. […] caso, então, uma inseminação artificial, muito mais barata que a fertilização, resolveria, quer... cademeunenem.com.br/diario-setembro-de-2015
  13. […] que, para sobreviver, é preciso apelar para alguns truques. Eu já passei por duas FIVs e uma insem... cademeunenem.com.br/injecoes-dos-tratamentos-de-fertilizacao
  14. Vani Responder

    Amei a delicadezana exposição da matéria, gostaria que me informasse onde fez a fertilização.

    Abco

    1. Pri Portugal Responder

      oi, Vani, td bem? Fico contente que tenha gostado da matéria. Seja bem-vinda ao Cadê Meu Neném? <3 A inseminação eu fiz em São Paulo, com o dr. Mario Martinez. A fertilização eu não recomendo o local onde fiz, menina 🙁

  15. Milena Responder

    Bom dia. Qual a clinica que vc fez o precedimento? Gostei do valor gasto de 4mil.

    1. Pri Portugal Responder

      Fiz na clínica do dr Mario Martinez, da maternidade São Luiz, no Itaim. Mas já faz alguns anos…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *