“Sofri dois abortos e meu chão caiu”

 

“Sempre tive o sonho de ser mãe, mas foi após o meu casamento que esse desejo aumentou. Com dois anos de casada, realizei alguns exames para saber como estava e o médico me disse que eu não tinha nenhum problema. Depois de seis meses tentando, veio o meu positivo. Até hoje lembro da alegria daquele momento. Mas com dois meses e meio comecei a sangrar. Estava sofrendo um aborto…

Realizei a curetagem e um monte de exames para saber o motivo. Nada diagnosticado. Soube que era mais uma estatística comum. Depois de três meses fui liberada para tentar novamente, sem saber que precisaria esperar até o sexto mês. Um mês depois eu já estava com mais um positivo nas mãos, mas 30 dias depois, sofri outro aborto… Meu chão caiu. Não encontrava respostas para todas as perguntas que eu tinha.

Fiz novos exames e escutei do médico: ‘Você nunca vai engravidar porque os espermatozoides do seu marido são poucos e lentos’. Pronto. Eu tinha o diagnóstico de infertilidade e via meu sonho ruir. Aí, me fechei por um tempo e mudei de médico. Ele disse que o que podia ter ocasionado o problema era uma trombose no útero, mas mesmo assim não tinha certeza deste diagnóstico. Fiz acompanhamento em relação a este problema por um ano, e fui recuperando minha esperança.

Aí, resolvi ir a uma clínica de fertilização, pois meu médico falou que só eles poderiam me ajudar. Entre um ano de idas e vindas e sem nenhum diagnóstico, foram realizadas três inseminações e uma fertilização in vitro. Cada vez que entrava para realizar um procedimento era uma esperança, e a cada resultado negativo do exame de gravidez, um novo desespero. Eu continuava ouvindo que estava dentro das estatísticas. E pensei: Como assim? Eu sou só um número para os médicos? Foi quando um médico me disse: ‘Você acredita em Deus? Então, só ele pode te ajudar’.

Voltei para casa pensando nisso e mudei de médico novamente. Fui conversar com uma ginecologista que era minha amiga. Ela pegou meu monte de exames e falou: ‘Você já engravidou naturalmente e vai ser assim que você vai ter seu filho. Vou cuidar de você por 6 meses’. Ao mesmo tempo, eu frequentava a igreja católica e ganhei de uma amiga os óleos do Santuário. Comecei a ungir meu útero e um dia sonhei com Nossa Senhora. Ela me dizia: ‘Acredita que tudo vai dar certo quando você tiver 30 anos’. Coincidentemente os 6 meses da médica dariam exatamente no mês dos meus 30 anos.

No dia 17 de julho de 2013, eu sonhei de novo com Nossa Senhora e ela me dizia: ‘sua hora chegou’. No dia 31 de julho daquele mesmo ano eu estava com o meu positivo nas mãos. A médica me alertou que seria uma gravidez de risco, mas foram 9 meses maravilhosos. Eu não senti nada de ruim durante a gestação. No dia 26 de março de 2014 nascia meu Pedro Henrique, com 53,5 cm e 3,7 kg, uma criança cheia de luz e saúde”.

Marielle, 33 anos


One thought on ““Sofri dois abortos e meu chão caiu”

  1. […] e fiquei comovida. Abortos espontâneos são muito comuns e muitas meninas que já deram seus depoim... cademeunenem.com.br/quatro-abortos-espontaneos-inspiradora-historia-carol-ribeiro

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *