Tenha sua própria horta em casa e veja dicas de cozinha e saúde. Tudo em um só post

Na semana passada, o chef francês Alain Passard esteve no Brasil e eu pude conversar com ele para um dos meus Jobs (já comentei aqui que amo meu trabalho?). Alain ficou conhecido por fazer uma cozinha principalmente baseada em vegetais e frutas – ele praticamente abandonou as carnes em seu restaurante em Paris, o L’Arpège. O chef leva tão a sério seu métier que é adepto da horta em casa. Ou quase: ele tem três hortas perto de Paris, que visita diariamente e escolhe os ingredientes mais frescos para cozinhar aquele dia.

Mas você não precisa ser um chef francês nem ter uma horta inteira à disposição para colher seu manjericão e seu alecrim fresquinhos, sabia? Ter uma horta em casa – ou no apartamento – é mais fácil que parece. Quer ver?

Primeiro, fique atenta a alguns detalhes: escolha um local da sua casa que receba bastante luz solar, como o parapeito da janela da cozinha ou uma varanda. Lembre-se que a planta se alimenta de água, então não abandone as coitadinhas lá, sem assistência. O melhor horário para molhar é de noite, porque a água não “esquenta” ao sol.

Aí, é só comprar as mudinhas – você encontra em feiras, supermercados e até na rua. Eu mesma já vi gente vendendo no semáforo. Depois, escolha os vasos, que podem ser coloridos ou, se você tiver habilidades manuais, até decorados por você mesma. Ah, quando eu digo vaso, quero dizer recipiente porque até uma lata de leite em pó e um caixote de madeira podem servir de suporte. Eu amo aqueles de vinhos, sabe? Até já consegui um que está aqui na sala à espera das plantinhas.

As vantagens de ter uma horta em casa são muitas: além de comer temperos frescos e sem agrotóxicos, tem aquela sensação de mexer na terra que manda a ansiedade embora. Não tem o hábito de cozinhar com temperos frescos e sua cozinha se limita a sal e orégano? Presta atenção aqui:

 

O que plantar na minha horta em casa?

horta em casa: tomates assados com alecrim

* Alecrim: fica uma delícia com tomates, com frango – assado ou na panela – e com batatas, de qualquer variedade. O alecrim, ainda por cima, faz bem para a pressão arterial e é um antidepressivo natural.

* Salsinha: minha mãe coloca até na alface e dá uma nova vida a uma saladinha básica. Vai bem no quibe, na abóbora, no grão-de-bico. A salsinha fortalece o sistema imunológico e tem poder anti-inflamatório. Perfeito para quem sofre com cólicas menstruais e tem tireoidite.

* Manjericão: é o meu preferido. Coloco em um pão com queijo quente, na bruschetta, no molho de tomate, na pizza, na salada… O manjericão ainda previne resfriados e infecções bacterianas.

* Sálvia: experimente derreter um pouco de manteiga e rasgar umas folhas de sálvia. Agora misture com um punhado de espaguete cozido e… voilà! Comida de chef. Também adoro sálvia com abóbora, com frango, com peixe… A sálvia ainda é digestiva e calmante. Quer mais?

* Cebolinha: taí um tempero eclético. Vai do arroz ao peixe, passando pelos cogumelos, frango, carne, peixe e o que mais sua imaginação mandar. A cebolinha retarda o envelhecimento, tem cálcio, fósforo e fortalece o sistema imunológico.

 

Foto: Flickr/Suzette – www.suzette.nu e Flickr/Lori L. Stalteri


Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *