Terapia neural para desbloquear traumas e emoções: desatando nós

Eu nunca tinha ouvido falar em terapia neural, mas fiquei curiosa quando soube que esta prática existia. Quem me contou foi uma amiga, a fotógrafa Sitah, que sofria com endometriose. “Há quatro anos eu tinha recebido indicação para fazer a cirurgia, pois apresentava um quadro clínico de dor muito profunda. Tinha ficado quase um ano de cama, porque quando me recuperava de uma crise vinha outra e eu ficava emocionalmente muito abalada”, recorda.

Foi quando sua terapeuta Ayurvédica recomendou que ela procurasse a terapia neural como preparação para a cirurgia. “Eu respondi muito rápido à terapia e meu quadro foi melhorando. Em menos de seis sessões estava completamente sem dor. Tanto que seis meses depois eu estava fazendo trilha no Everest, no Tibet, com -10° C de temperatura”, completa.

Ouvindo isso, fui atrás para entender melhor do que se tratava e poder trazer para vocês aqui, no Cadê Meu Neném?. A terapia neural tem princípios parecidos com os da acupuntura: considera o corpo como um todo, em que fatores físicos e emocionais, como um trauma ou uma cirurgia, desequilibram o sistema nervoso. E ela age nestes pontos de desequilíbrio.

A diferença da acupuntura para a terapia neural é que, traduzindo de maneira leiga, enquanto aquela usa microagulhas em pontos específicos, esta considera mais locais de aplicação no corpo e usa microinjeções com um anestésico chamado procaína em doses bem pequenas e localizadas. Por isso, fique atenta: ela só pode ser praticada por médic@s, veterinári@s e dentistas, ou seja, profissionais habilitados a dar diagnósticos e realizar tratamentos em suas áreas. Certo?

Estas injeções – que segundo a Sitah não doem – prometem remover interferências energéticas do corpo, restaurando seu fluxo natural. Não tem nada a ver com bruxaria, religião ou “simpatia” – ciências como o reiki, por exemplo, acreditam, sim, no fluxo energético do corpo. A contraindicação desta terapia é para quem tem alergia aos componentes da procaína. De resto, ela pode, sim, ser indicada no tratamento de infertilidade.

“O profissional de terapia neural tem que estar aberto para se conectar com o paciente”, explica Rosana Takako. Rosana é geriatra, acupunturista, especialista em Ayurveda e terapeuta neural, com pós-graduação em medicina integrativa no Hospital Albert Einstein. Ela conta que essa prática surgiu no Brasil na década de 60 como uma técnica de rejuvenescimento, mas hoje é definida como uma autoecoorganização do organismo.

 

Como funciona a terapia neural?

“Se você tem um trauma físico, emocional ou uma cicatriz de cirurgia aquilo é um campo de interferência. É como se lá ficasse uma memória. Isso faz com que o corpo crie bloqueios energéticos. A terapia neural remove estes campos de interferência, às vezes até no campo físico. Por exemplo, se você tem uma cicatriz de cesárea é porque seu parto não foi natural e seu corpo guarda essa memória física. Quando aplicamos a terapia, a substância limpa os bloqueios de pontos energéticos. Então, o efeito pode até aliviar a cicatriz visualmente, mas a intenção é mesmo reorganizar essa área”, fala.

Ao mexer com o fluxo energético, a terapia neural também atua no campo emocional e funciona como ferramenta de autoconhecimento. A própria Sitah conta que resolveu reencontrar um ex-namorado para conversar, depois de anos sem vê-lo. “Acabei libertando um sentimento que tinha preso dentro de mim e essa emoção se diluiu. Nunca mais tive aquelas cólicas da endometriose”, lembra. E esta é justamente a principal vantagem das terapias integrativas: tratar o ser humano e não a doença.

A questão da fertilidade também é vista pela terapia neural como um bloqueio energético, que pode ser na sexualidade, nos hormônios ou no aspecto feminino, por exemplo. “Não é só querer ter filhos, mas precisamos entender o que está por trás disso. Muitas vezes tem questões emocionais, familiares… Identificar a causa dá à paciente uma ferramenta para desbloquear os campos de interferência. E por isso não é tão simples: se o problema é no útero, não necessariamente aplicamos as microinjeções na barriga. Pode ser em uma cicatriz e até em um dente. Em casos ginecológicos mais profundos, eu vou devagar até a história daquela mulher vir à tona”, conclui Rosana Takako.

Quer experimentar? Saiba que as aplicações (em São Paulo) variam entre R$200 e R$450 e são necessárias de 4 a 10 sessões, de um modo geral.

O site da Rosana é este aqui.

 

 

Para ir mais fundo

Quer entender melhor?

Pois bem, cientificamente, o poder de cura da terapia neural é explicado de quatro formas:

*a primeira diz que nas doenças crônicas (como endometrite, psoríase etc.) acontecem alterações em membranas de gânglios e nervos. Isso perturbaria a condutividade das células, afetando as fibras sensoriais e motoras. Como consequência, a regulação dos hormônios vai pro beleléu. A terapia neural corrigiria estas células.

*a segunda crença reside na ideia de que o fluido dos microespaços existentes entre as células cria uma rede de conexões chamada “sistema de aterramento”, que teria propriedades de osmose, condutividade elétrica e capacidades iônicas. A terapia neural manipularia esse sistema mudando as propriedades do espaço extracelular e restaurando a saúde daquele organismo.

*a terceira defende que injetar procaína em um nódulo ou vaso linfático pode ampliar essas estruturas. Assim, a velocidade de funcionamento desta parte importante do sistema imunológico é aumentada porque sua capacidade de carga cresce.

*a quarta linha segue a teoria da restrição miofascial. Nela, a fascia (o tecido conectivo que circunda os ossos, órgãos, veias sanguíneas e nervos do nosso corpo) forma uma rede interconectada. E depois de um trauma, os tecidos fibrosos criam uma cicatriz ou adesão na fascia, que mudaria o seu funcionamento. A consequência seriam problemas musculares e ósseos e os órgãos se deslocariam. A terapia neural atuaria justamente na fascia.

 

*Fotos: Flickr/ gabe popa e Cortesia/Rosana Takako


15 thoughts on “Terapia neural para desbloquear traumas e emoções: desatando nós

  1. Ana Gordon Responder

    É bom para depressão cronica?

    1. Pri Portugal Responder

      oi, Ana, tudo bem? Seja bem-vinda ao Cadê Meu Neném? Espero, de coração, que você se sinta acolhida. Sim, uma das orientações da terapia neural é justamente para depressão. Fale com a Rosana, o link para o site e o contato dela está na matéria. <3 E se precisar conversar, pode me escrever no contato@cademeunenem.com.br ou no facebook.com/cadeomeunenem. Obrigada pelo seu contato. Bjinho, Pri Portugal

  2. Rosa Yana Baalbaki Responder

    Olá, fiquei encantada com seus resultados e com a forma precisa e esclarecedora com a qual definiu a Terapia Neural…
    Nós terapeutas neurais ficamos gratificados com esses resultados, seu depoimento foi lindo, parabéns!!!?

    1. Pri Portugal Responder

      oi, Rosa, bem-vinda ao Cadê Meu Nené? A experiência, na verdade, não foi minha, mas de uma amiga, a Sitah, mas realmente achei muito interessante. Bjinho, Pri Portugal

  3. Claudete Fraporti Responder

    Claudete Fraporti
    Terapia Neural trata danos cerebrais por AVC e/ou outras causas , que prejudicam membros e causam desequilíbrio físico e emocional?

    1. Pri Portugal Responder

      Claudete, tudo bem? Seja bem-vinda ao Cadê Meu Neném? Infelizmente eu não sei te responder porque minha entrevista foi focada em infertilidade e endometriose mesmo 🙁 Bjinho

  4. Bruno Responder

    Só corrigindo algo. Não são só médicos que são habilitados a aplicar a Terapia Neural, Fisioterapeutas também estão aptos a fazer tal procedimento!

    1. Pri Portugal Responder

      olá, Bruno, bem-vindo ao Cadê Meu Neném? Em minhas pesquisas, sabia que apenas médicos (e dentistas) podiam usar anestésicos, não?

      1. Gisele Responder

        Não, como o uso da procaina é somente superficial, o profissional de saúde habilitado para a função pode sim fazer a aplicação, o Coren tem o Parecer da técnica.
        III – DA CONCLUSÃO
        Concluo que o profissional Enfermeiro está em concordância com suas prerrogativas legais e éticas ao executar o procedimento Terapia Neural tendo a titulação de Especialista em Enfermagem em Saúde Complementar ou Enfermagem em Terapias Holísticas Complementares, e sido capacitado para tal, em instituição onde esteja vinculado, a qual tenha a atividade contemplada em rotina e/ou protocolo de saúde interno.

  5. Daiane Bortolato Responder

    Bom dia
    Essa terapia ele é bom para memória

    1. Pri Portugal Responder

      Olá, Daiane, acabei não investigando mais a fundo porque meu foco na entrevista era a questão da fertilidade, que é tema do site, mesmo. Te recomendo entrar em contato com um profissional da área para saber mais. Bjinho, Pri Portugal

  6. Marcia Responder

    Vocês conhecem profissional no municipio do Rio de Janeiro que aplicam esta técnica?

    1. Pri Portugal Responder

      Infelizmente não saberia te indicar, Marcia, mas certamente existem grupos no FB que trocam esse tipo de indicação. Vc já tentou?

    2. Zaida Oliveira Responder

      Eu faço com a Dra Maira Martins Peron.
      Para mim está sendo libertador é impagável.
      Ela atende no seguinte endereço Av Evandro Lins E silva 840 Sala 1410
      Office Tower Barra Da Tijuca
      Rio De Janeiro
      Fonr:21 2492-1063

    3. simone blanco Responder

      OLÁ, SIM.
      SOU FISIOTERAPEUTA CLINICA E ATUO NO RIO COM TERAPIA NEURAL.
      ATENDO NO CENTRO DA CIDADE E BARRA DA TIJUCA.
      SEGUE CONTATO: 21 972949230.
      Simone Blanco

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *