Como funciona a doação de embriões?

Hoje recebi um e-mail explicando como funciona a doação de embriões e como é de uma clínica em que eu confio bastante (veja no final), achei bacana compartilhar aqui para vocês, pois eu mesma não entendia muito bem o funcionamento.

Para começar, quem está chegando agora ao universo da infertilidade, da FIV e etc. pode não saber, então vou explicar: quem precisa recorrer a uma fertilização in vitro é porque, resumindo grosseiramente: 1. não produz mais óvulos, 2. o parceiro tem azoospermia, 3. casais homoafetivos, 4. tem trompas obstruídas, 5. não sabe o que tem, mas tenta engravidar há mais de 1 ano sem sucesso (nesse caso, recomendo que leia esse post aqui e lute pelo seu diagnóstico), 6. não quer mais esperar e não teve sucesso em outros tratamentos (como inseminação ou coito programado).

Quem já sabia disso fica curioso pra saber como funciona a FIV. Resumidamente: você e seu marido passam por exames e você começa a aplicar injeções na barriga para estimular a produção de óvulos. Dependendo de como seu corpo responder, você terá óvulos maduros ou não. Se eles forem maduros, você pode ter de 1 a 20, até 25 óvulos por ciclo de estimulação. Eu, por exemplo tinha de 2 a 3 e isso varia de organismo pra organismo.

Depois disso, o seu marido colhe o material dele (esperma) e, em laboratório, o geneticista/embriologista introduz o espermatozoide selecionado no óvulo. Em 3 dias, se as células se multiplicam, vocês têm um embrião. Em 5 dias, é o embrião blastocisto – que segundo acredita a ciência recente, é o melhor para congelar ou transferir.

Se seu endométrio não estiver em condições específicas para receber esse embrião, ele é congelado e você tem outros ciclos para realizar esse preparo (que pode acontecer de várias formas). Vamos imaginar agora que uma mulher teve 20 óvulos maduros que, fecundados, chegaram a 10 blastocistos (tô sendo bem otimista aqui). Ela congela os 10 e nos mês seguinte, de acordo com a vontade dela e o protocolo do médico, transfere 1 ou 2 para o útero e espera para ver se ele se fixa e se teremos uma linda gravidez. Restaram 8 embriões congelados e dificilmente esse casal vai querer ter 8 ou 10 filhos nos dias de hoje. Então, o que fazer com esses embriões congelados?

Do outro lado da moeda está uma mulher que entrou em menopausa ou, por causas genéticas ou de imunidade, não produz óvulos ou não resulta em embriões saudáveis (chamados de euploides). Já tentou de tudo e não consegue. Seu marido também é infértil. Ou ela é de um casal homoafetivo e ambas não conseguem produzir óvulos. Esse casal pode ganhar seu tão sonhado bebê, sua tão sonhada gestação, em uma doação de óvulo.

Agora, sim, vamos à explicação da clínica Nilo Frantz sobre como funciona a doação de embriões:

Quem pode fazer a doação de embriões?
A doação de embriões no Brasil só pode ser realizada por pessoas que passaram por tratamento de Reprodução Assistida e que congelaram os embriões que não foram utilizados. Desta forma, em muitos casos, são obtidos embriões excedentes que são congelados e podem ser usados para uma gravidez futura, ou também doados. Veja alguns pré requisitos para produzir embriões:

*A mulher doadora dos óvulos que serão usados para formar o embrião deve ter até 35 anos;
*O homem cujos espermatozoides serão usados para fecundar o óvulo e formar o embrião deve ter no máximo 50 anos;
*A mulher e o homem que forneceram o material genético para produzir o embrião não podem ter doenças hereditárias ou transmissíveis. Assim, antes de iniciar o processo é feito uma avaliação completa com exames diversos para confirmar se estão aptos a fazer a Fertilização In Vitro.

Quem pode receber a doação de embriões?

Diversas situações, como casos de infertilidade associados à qualidade ou quantidade de gametas, masculino ou feminino, podem justificar a procura pela doação de embriões. Além disso, casais homoafetivos e produções independentes também têm na doação de embriões uma possível saída para ter um filho.

E vale lembrar que é DOAÇÃO, não venda. A doação de embriões e de gametas no Brasil é regulamentada pela Resolução 2168 do CFM, que especifica as condutas ética e médica para esse procedimento.

E aí, gente? Restou alguma dúvida? Vocês já sabiam como funciona a doação de embriões? Já pensaram em partir para ela?

Foto: Alex Iby/Unsplash

Outubro de 2015 

Querido diário, contamos tudo para o médico e ele pensou: “vamos fazer uma biópsia do seu endométrio. É mais invasivo, mas ele pode ter algo que a ressonância não identificou, visto que a princípio, você ‘engravidou’. Só que o embrião não se fixou no útero”. more “Outubro de 2015 “

“Passei por vários especialistas, mas meu problema de infertilidade se resolveu no campo da imunidade. Duas vacinas depois, e eu estava grávida”

“Nós nos casamos em setembro de 2012, após quatro anos de namoro. Apenas seis meses depois resolvemos começar as tentativas, assim, como quem não quer nada e nunca cogitamos a infertilidade. A verdade é que eu tinha o desejo de ser mãe, mas sentia muito medo e não sabia se era a hora certa. more ““Passei por vários especialistas, mas meu problema de infertilidade se resolveu no campo da imunidade. Duas vacinas depois, e eu estava grávida””

Fertilização in vitro, a famosa FIV

Uma das principais dúvidas de quem vai procurar um especialista em fertilidade é: qual a diferença entre a inseminação artificial e a fertilização in vitro (FIV)? Normal, é um mundo novo e esses assuntos a gente não conversa à mesa com a família como faz quando está grávida, por exemplo. Aliás, muito provavelmente ninguém da sua família (mais próxima) já fez algum tratamento para engravidar, o que não ajuda na hora de esclarecer, vamos combinar. more “Fertilização in vitro, a famosa FIV”