“Um médico indicou a retirada do meu útero. Nunca mais voltei lá e estou tentando engravidar. Agora busco coragem para marcar um exame e entender o que deu errado na FIV”

“Quando era criança, eu colocava uma almofada na barriga para brincar de mamãe das minhas bonecas… por aí você já vê o quanto eu sempre quis engravidar. Só que, em 2010 (quando ainda nem era casada), em uma consulta de rotina no ginecologista, descobri que tinha miomas no útero. A verdade é que eu sentia muitas cólicas e meu fluxo menstrual estava muito intenso. Desde então, luto para preservar meu útero.

Fiz duas miomectomias, em 2010 e 2012, que são como pequenas cesáreas: tem um corte e o médico vai retirando mioma por mioma. O problema é que eles sempre voltam e não se sabe a causa. Provavelmente é uma predisposição do meu organismo. Em 2014, um ginecologista indicou a retirada do meu útero e nunca mais voltei lá. Passei então por mais um ginecologista e um especialista em reprodução humana assistida, em busca de outras opiniões. Graças a Deus foram contrárias.

Nenhum médico associa isso à minha dificuldade para engravidar, mas o fato é que ainda não consegui. Tentei soluções mais naturais, como acupuntura voltada para fertilidade. Também tomei chá de inhame por sete dias em jejum. Era horrível!

Em setembro de 2015, apelei para o coito programado. Tentamos por três meses e nada… aí, vieram as festas de final de ano e demos um tempo. Até porque o estresse e a frustração estavam elevados. Além disso, não nos sentimos confiantes na clínica que estávamos frequentando. Parecia um shopping de tão frio o ambiente.

Então, em fevereiro de 2016 consultamos outro médico, que é ginecologista e obstetra, e iniciamos a medicação para induzir minha ovulação. Tentamos por mais quatro meses sem nenhum sucesso. Em julho, ele nos encaminhou para outra clínica de reprodução. Fiz vários exames, de sangue, ultrassom, histerossalpingografia, perfil hormonal, mapeamento de endometriose…

Como não tínhamos nada, parti para uma FIV, em novembro. Foi desgastante tomar todas aquelas injeções e, no meu caso, as idas e vindas para Curitiba (moro a 100 km de lá), mas pensava que os fins justificariam os meios. E parecia estar certa. Eu sempre respondi bem à estimulação. Desta vez, tive cinco óvulos puncionados, dos quais três fecundaram. Fizemos análise genética e apenas dois estavam bem saudáveis para a transferência, que foi tranquila. Fiquei de repouso o tempo exato. Lembro que mal respirava.

Estávamos bem confiantes, afinal, transferimos dois embriões e tinha tudo para dar certo… mas não deu. Fiz o exame de sangue Beta HCG no dia solicitado e deu negativo. Chorei o dia todo e fiquei muito abalada. Até hoje sinto como se tivesse perdido os meus meninos. Agora, meu médico desconfia que possa ser endometriose, pois um dos únicos exames que ainda não fiz foi o de videolaparoscopia.

Aí, novamente vieram as festas e demos um tempo. Agora, meu ginecologista quer dar sequência com um exame chamado ERA*, que pode ajudar a entender o que deu errado. Ele disse que talvez a abertura da minha janela de implantação seja diferente. Quero fazer esses exames e dependendo do resultado vamos pensar o que fazer.

Confesso que me falta coragem para marcar. Tenho medo do resultado. Estamos ponderando também a ideia de adoção, mas é algo novo, que ainda precisamos amadurecer. Enquanto isso, teve uma senhora que meu indicou essa semana um composto fitoterápico chamado Saúde da Mulher. Não custa tentar, né?”.

Danielle Magnani Ogurtsova, 40 anos, ainda está tentando

 

 

*ERA (Endometrial Receptivity Array) significa, em livre tradução, algo como “Matriz de Receptividade do Endométrio”. Trata-se de um exame que avalia se o endométrio está ou não receptivo, determinando o dia ideal para transferir o embrião ao útero. Vamos falar mais dele aqui no site, fique de olho!


15 thoughts on ““Um médico indicou a retirada do meu útero. Nunca mais voltei lá e estou tentando engravidar. Agora busco coragem para marcar um exame e entender o que deu errado na FIV”

  1. Lu pin Responder

    Conhecer alguém que deseja tanto ser mãe é muito gratificante. Primeiro por ter um exemplo de disciplina e dedicação a um sonho ,em segundo ver dois seres com tanta determinação sem deixar o amor e o carinho envolvido esmurecer em terceiro e não menos importante sentir que o desejo deles envolve o desejo de muitos que os querem bem.

  2. Daniela Lucas Responder

    Sei bem oq ue vc esta falando..passo por isso tbm, durante 7 anos de casada tentamos de todas as formas e nada, todos os médicos dizem o mesmo, seu útero esta prontinho para receber um bebe, mas nada disso parece ser vdd….apos isso meu casamento acabou…hj ele e casado e tem uma filhinha….as vezes penso que não nasci para ter essa honra…sofro muito por isso, e choro a cada noticia de uma amiga gravida…pq eu não? e bem difícil e por conta disso não falo mais sobre isso com ninguém…pois sinto o olhar de pena para mim…enfim adorei conhecer um pouco da sua historia…e confortante saber que não sou só eu neste mundo…..

    1. Pri Portugal Responder

      oi, Daniela, criei esse site justamente para mostrar que não estamos sozinhas. Dividindo e compartilhando nossa dor, o coração fica mais aliviado. Gostaria de contar sua história aqui no site. Posso te enviar um email? Muito obrigada. Beijinho.

  3. Maribel Responder

    Olá
    Fiquei grávida c 42, depois de algumas perdas…
    A primeira aos 41 era anembrionada. Fiz a curetagem e minha médica m liberou p tentar c 3 meses, pinga engravidei novamente porém meu endométrio estava mto fino e n segurei após 6 semanas. Após 2 meses engravidei do meu lindo filho henry, q foi um presente de Deus!!!
    Este filho fui c meu marido e pedi q Deus nos abençoasse com um filho. Pois ele nos diz; q tudo q pedires com fé vos será acrescentado!!!!
    Meu filho e a prova deste testemunho!!!!
    Minha médica disse q era p eu tomar umas vacinas caríssimas porque eu e meu marido tínhamos incompatíbilidade de algo q até hj n entendi, kkkkkk.
    Ore e confie em Deus. Só ele da a vida !!!
    E hoje estou aqui c 45 anos e vou tentar de novo!!!

    1. Pri Portugal Responder

      oi, Maribel, linda sua história. Posso te escrever para pegar seu depoimento aqui para o site? Pode ser muito inspirador para outras mulheres que, como eu, ainda estão tentando 🙂 Beijinho

  4. CATIANE CAMILO ROLIM Responder

    Achei muito bom o depoimento e tbm estou tentando engravidar á 07 anos e eu fiz 03 FIV.
    Mas não vou desistir.

    1. Pri Portugal Responder

      oi, Catiane, posso escrever para o seu email? Gostaria que você desse o depoimento para o site. Minha história é muito parecida com a sua. Beijinho

  5. Karoline Feliciano Responder

    Excelente. Amei.

  6. Elisa Maria Responder

    Muito edificante.

  7. Livy Responder

    Oi Danielle, não tome esse Saúde da Mulher… tomei há alguns anos atrás e fiquei completamente desregulada e com sangramentos acima do normal (me causou pólipos no endométrio).

  8. pedro bunazar Responder

    Olá,

    Gostaria de um email/telefone para contato.

    Seria muito interessante

    1. Pri Portugal Responder

      Respondi no seu email, Pedro. Obrigada

  9. […] e faço esportes. Porém, a recomendação desde sempre foi que eu não engravidasse sem antes anali... cademeunenem.com.br/nasci-com-displasia-campomelica
  10. Ana Rabelo Responder

    Oi Meninas eu me chamo Ana o meu sonho era engravidar e eu nao tirava da cabeca, eu ja tinha 33 anos, o meu Utero cheio de miomas, tenho um com 7cm,eu engravidei de uma menina linda e perfeita ela veio ao mundo ela tem 5 anos, ela é do jeitinho que eu sonhava Antes de te_la.bjos

    1. Pri Portugal Responder

      oi, Ana, muito obrigada por contar do seu final feliz e, principalmente com miomas. Certamente vai inspirar muitas meninas. Bjinho, Pri

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.