Perder o controle pode ser bom

Já falei muitas vezes aqui no site sobre controle (por que será, hein?), mas, sim, vou falar novamente. Esta semana, uma amiga querida postou uma foto com sua bebê e a seguinte legenda: “quando eu consigo lembrar que não tem nada pra consertar, ou pra controlar, nem tampouco pra evitar, e que é só estar presente… até que a parada fica bem divertida!”.

Achei maravilhoso.

Virou meu mantra.

Printei e to distribuindo prazamiga tudo.

Você já se perguntou quantas vezes HOJE tentou evitar algo (uma discussão do seu marido com seu pai, uma demissão no trampo, o trânsito durante a chuva), quantas vezes tentou consertar algo (a relação da sua mãe com a sua avó, a audiência do site em que você trabalha e não anda tão boa, um comentário torto feito em um dia mais nublado) e quantas vezes tentou controlar situações (sexo bem no dia em que o app que controla a ovulação mandou, o exame que seu marido ainda não fez, o luto daquela amiga que perdeu alguém). Pois é. Veja o peso que isso tudo representa no seu dia.

Aí, como a vida e o universo não cansam de enviar sinais, almocei com mais algumas amigas queridas ontem e… pá! Cheguei à mesma conclusão. Todas temos problemas, fases, dificuldades, recebemos nãos, pés na bunda, ficamos sem tesão, perdidas, enxergamos características que não gostaríamos em pessoas que amamos, nos decepcionamos… todas vivemos a vida real e não abrimos mão da falsa sensação de controle.

Mas aí vem a internet que faz a gente pensar que o contato virtual basta e que o que sabemos das pessoas queridas por ~redes sociais~ é a mais pura verdade e que todo-mundo-está-bem-o-tempo-todo-menos-eu… e só piora tudo. Para compensar nossa vida imperfeita e nossas tristezas, lançamos mão de mais controle… controlamos (ou tentamos) o dinheiro, a agenda, que traz milésimos de segundos, a opinião de quem amamos, as frases que escutamos, as fases de uma carreira, o ciclo menstrual, o desejo de transar, os remédios e vitaminas que aumentam a fertilidade. Nem preciso dizer que é em vão, né?

É claro que eu não estou dizendo pra você ficar de braços cruzados e desencanar que uma hora vem (cruz credo, nunca diria isso!). Mas também penso que entender que nada está nas nossas mãos e podemos perder o controle, sim, é um primeiro passo. E essa é uma das mais duras e imediatas lições que aprende quem está tentando engravidar. SPOILER: também é uma lição dura para quem engravida e SPOILER 2: também é uma lição difícil e diária para quem tem filhos.

Entender que a vida é feita de transições, de momentos e que se hoje você ficou duas horas no trânsito, não quer dizer que vai ficar amanhã também. Se hoje seu médico te diagnosticou com possível falência ovariana precoce, não quer dizer que ele está certo, ou que o exame foi preciso, ou que isso não tem solução. Se hoje seu cliente te deixou na mão, não quer dizer que amanhã não vai aparecer outro melhor. Ou que você não vai fazer algo incrível com este tempo extra que surgiu inadvertidamente na sua agenda.

Perder o controle de vez em quando significa remar a favor da maré, e não contra. Significa escolher suas brigas para não sair exaurida depois de um dia de muitas batalhas. Significa entender que, às vezes só precisamos mesmo estar presentes e nos afastar do cenário para enxergar todas as possibilidades que ele oferece. Eu garanto para vocês, nunca é uma só.

PS: nessa foto sou eu, tentando esquiar, um sonho antigo. Não consegui e se você acertar o motivo ganha um prêmio 😉


Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.