Como lidar com as perguntas sobre a gravidez que não chega?

Esses dias eu tenho recebido centenas de e-mails, comentários aqui no site e no Facebook do Cadê e mal estou dando conta de responder – mas vou! Um por um. Só que de todos que chegaram com suas dúvidas, angústias e histórias, um em especial me chamou atenção. Ele dizia: “Pri, como lidar com as perguntas de parentes e amigos sobre a gravidez que não chega?”. De fato, basta você começar as tentativas para engravidar que já surgem juízes de todos os lados, loucos para te questionar e julgar.

Para pode responder, fiz uma consulta à minha memória e resolvi compartilhar com vocês o e-mail que enviei a essa leitora. Ele pode não ser tão direta quanto o esperado, mas mostra vários caminhos e mostra também o quanto nosso humor fica inconstante devido à gravidez que não chega. Por isso, lá vai:

Aqui em casa, optei por abrir o jogo com meus pais e sogros e também com algumas amigas, no começo.

Depois, resolvi tratar com mais naturalidade. Quando me perguntavam assim, casualmente, no meio de uma conversa, dizia: estamos tentando, mas não é tão fácil.

Por fim, como já caminhávamos para adoção, eu dizia: não podemos, então estamos no processo de adoção, que é bem demorado. Quando tiver notícias, eu te aviso.

Nos dias em que estava p. da vida ou achava que estavam se metendo na minha vida de graça, dizia: não quero ter filhos, engorda, não deixa a gente dormir de noite… a vida é muito curta e eu quero mais é viajar.

Nos dias em que estava triste, os olhares de dó e as notícias de gestação das amigas me faziam chorar no banheiro…

Quando diziam que era só desencanar, eu dava uma pequena aula de infertilidade (não é bem assim, mais de 8 milhões de pessoas sofrem com infertilidade no Brasil e se isso fosse verdade, todo mundo que não quer engravidar não engravidaria, oras!!!).

O que eu tentava era pensar que a maioria das pessoas não fazia por mal e que isso só me machucava porque a tal da “gravidez que não chega” me fazia mal. O problema não eram os outros. Afinal, como dizia minha terapeuta: aposto que falam várias outras coisas de você que não fazem sentido e você está pouco se lixando…

Quando tinha intimidade também dizia que preferia não falar sobre o assunto porque me doía…

Em resumo, sou exatamente como você e lidar com isso era muito difícil. Cada dia era um dia e não tinha muito uma fórmula pronta de resposta, não 🙁

E vocês, meninas, como lidam com as perguntas?

Uma dica para encerrar: se alguém se mostra inconveniente sobre a gravidez que não chega, vocês podem dar um jeitinho de encaminhar esse link aqui para a pessoa.

Foto: Flickr/ Seattle Municipal Archive


6 thoughts on “Como lidar com as perguntas sobre a gravidez que não chega?

  1. Catarina Sobral Responder

    Oi Pri, como me identifiquei com a sua historia e como e dificil encarar a gravidez que não chega, conheci seu blog em uma fase não muito fácil, mais lendo o blog me deu uma força surreal parabéns
    em poucos lugares encontrei algo que me identificasse tanto, já peguei varias dicas e resposta kkkk,
    Deus abençoe muito a sua gestação.

    1. Pri Portugal Responder

      Que lindo seu comentário, Catarina, fico contente que tenha se sentido acolhida por aqui. Volte sempre <3. Bjinho, Pri

  2. Isabella Marques Responder

    1. Pri Portugal Responder

      🙂

  3. Cirlene Responder

    É triste isso. As pessoas se sentem no direito de ficarem especulando sem ao menos tentar antes entender o motivo da demora da gravidez. Estou cansada da cara de dó, das palavras em tom de dó, das notícias de novas gravidezes que sou obrigada a parecer feliz ao recebê-las, eu quero que chegue a minha vez também, eu quero meu bebê.

    1. Pri Portugal Responder

      Eu entendo exatamente o que vc está sentindo, Cirlene. Quando estava muito, muito chateada, eu saía pela tangente do tipo: ah, engravidar engorda, eu não quero, gosto de dormir até tarde… dava umas respostas meio sem noção pra ver se as pessoas se tocavam. Geralmente funcionava…rs… vc já experimentou? Bjinho, Pri

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *